Dose em exames de crânio e tórax de Tomografia Computadorizada Pediátrica: uma Revisão Bibliográfica

Bárbara Quednau Friedrich, Alexandre da Silva Capaverde, Stefania Vanni, Carolina Fauth Storck Mazzola, Ana Maria Marques da Silva

Resumo


O diagnóstico por imagem através da Tomografia Computadorizada (TC) é responsável por cerca de 34% da dose de radiação entregue à sociedade, sendo que no Brasil existem cerca de 3833 equipamentos. Na TC são definidos os descritores CTDIvol e DLP que representam o índice de dose em TC e o produto do CTDIvol pelo comprimento irradiado. Este trabalho tem como objetivo descrever os valores de CTDIvol e DLP para exames pediátricos de tórax e crânio. Este é um estudo exploratório do tipo revisão bibliográfica na base de dados PubMed, utilizando os termos indexados seguindo o seguinte cruzamento: Computed Tomography AND Reference Levels AND Dose. A busca foi limitada a estudos publicados nos últimos cinco anos, com pacientes de0 a 15 anos, em inglês ou português. Além disso, foram incluídos guias de referência sugeridos por órgãos governamentais e científicos nos últimos cinco anos. A análise de dados foi pelas quatro leituras de Gil: exploratória, seletiva, analítica e interpretativa. Pela Leitura Exploratória foram identificados 23 artigos. Na Leitura Seletiva excluiu-se 4 artigos e na Leitura Analítica 9 artigos. A Leitura Interpretativa foi realizada com 7 publicações. Em relação aos guias de referência, foram incluídos na revisão 3 guias. A Portaria MS453/98 foi incluída por ser a única publicação nacional vigente. Todos os dados foram categorizados entre valores de prática e valores de referência. Conclui-se que não há consenso entre os níveis de referência para os estudados selecionados, referente a exames pediátricos de TC. Além disso, a legislação nacional vigente não possui níveis de referência para TC pediátrico.


Texto completo:

PDF

Referências


Saeed, M.K. et. Al. Ragional Survey of image quality and radiation dose in computed tomography examinations in Saudi Arabia. Australas Phys Eng Sci Med. Austrália.2014.

DATASUS. Disponível em: Acesso em 15/06/2015.

IAEA. Diagnostic Reference Levels in CT. Disponível em: https://rpop.iaea.org/RPOP/RPoP/Content/InformationFor/HealthProfessionals/1_Radiology/ComputedTomography/ diagnostic-reference-levels.htm>. Acesso em 15/06/2015.

Shah, N. B. and Platt, S. L. ALARA: is there a cause for alarm? Reducing radiation risks from computed tomography scanning in children. Curr. Opin. Pediatr. 20(3), 243–247 (2008).

Image Gently®: The Alliance for Radiation Safety in Pediatric Imaging [internet]. [cited 2013 Aug 11]. Available from http://www.pedrad.org/associations/5364/ig/; 2013.

Gil, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. Edition Atlas. São Paulo.2002.

Naumann, D. N. et al. Radiation exposure during pediatric emergency CT: time we took notice?. Journal of Pediatric Surgery. United kingdom. Vol. 49, 2014. p. 305-307

Santos, J. et al. The establishment of computed tomography diagnostic reference levels in Portugal. Radiation Protection Dosimetry. Portugal. Vol. 158, 2013. p. 307-317

Brady, Z. et al. Assessment of pediatric CT dose indicators for the purpose of optimization. The British Journal of Radiology. Vol. 85, 2012. p. 1488-1498

Kritsaneepaiboon, S. et al. Survey of pediatric MDCT radiation dose from university hospitals in Thailand: a preliminary for national dose survey. Acta Radiologica. Vol. 53, 2012. p. 820-826

Korir, G. K. et al. Patient doses using multidetector computed tomography scanners in Kenya. Radiation Protection Dosimetry. Vol. 151, 2012. p. 267-271.

Kharita, M. H. et al. Survey of patient dose in computed tomography in Syria 2009. Radiation Protection Dosimetry. Vol. 141, 2010. p. 149-161.

AMERICAN ASSOCIATION OF PHYSICISTS IN MEDICINE. Dose Check Guidelines Version 1.0. EUA, 2011.

AMERICAN COLLEGE OF RADIOLOGY. Practice Parameter for Diagnostic Reference Levels and Achievable Doses in Medical X-Ray Imaging. EUA, 2014.

NATIONAL RADIATION SAFETY COMMITTEE. Diagnostic Reference Levels in Europe. United Kingdom. 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância Sanitaria. Portaria nº 453, de 1 de Junho de 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.29384/rbfm.2015.v9.n2.p10-13

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Física Médica

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia