Desempenho de Dosímetros OSL em Feixes Clínicos empregados na Mamografia

Caio V. Oliveira, Henrique V. Cabete, Anna Luiza M.C. Malthez, Fátima F.R. Alves, Sílvio R. Pires, Regina B. Medeiros, Marcelo Baptista Freitas

Resumo


A busca pela relação ótima entre imagem e dose é fundamental para a qualidade da prática clínica em mamografia. Neste sentido a dosimetria empregando detectores luminescentes opticamente estimulados (OSLD) configura-se numa alternativa aos métodos tradicionais permitindo uma estimativa in loco da dose recebida pela paciente. Este estudo teve como objetivo verificar o desempenho de dosímetros OSL em feixes clínicos empregados na mamografia. Para tanto, detectores de óxido de alumínio, especialmente projetados para diminuir a interferência na qualidade da imagem, foram expostos combinando alvos e filtros do equipamento mamográfico provido de sistema de imagem digital. Também foram empregados detectores de fluoreto de lítio irradiados nas mesmas condições, juntamente com uma câmara de ionização utilizada para determinação dos valores de dose praticados. Um simulador homogêneo de acrílico foi projetado e utilizado para  simular diferentes espessuras de mama e também determinar valores de dose interna nas condições de irradiação. Os resultados permitiram a determinação de fatores de calibração (sinal OSL x dose) dos detectores expostos aos feixes de radiação normalmente empregados na prática clínica. As imagens do simulador e a comparação das respostas TL e OSL indicam para a possibilidade de uso rotineiro do sistema de dosimetria OSL na mamografia.

Palavras-chave


radiologia diagnóstica; mamografia; dosimetria; luminescência opticamente estimulada; proteção radiológica

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Nacional do Câncer. Estimativas de câncer para 2014: incidência de câncer no Brasil. [database on the Internet]. www.inca.gov. 2015 [cited 01/06/2015].

Ministério da Sáude. Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico, Brasília, Diário Oficial da União de 1 de junho de 1998 (Portaria 453) (1998).

Yukihara EG, McKeever S. Optically Stimulated Luminescence: Fundamentals and Applications. 1ª. ed. [S.l.]: John Wiley & Sons Ltd, 2011.

Alves, FFR. Estudo longitudinal da qualidade da imagem mamográfica em sistemas digitais associado ao processo de otimização da dose glandular média. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina. São Paulo, 2014. xv, 128f.

Dance DR, et al. Further factors for the estimation of mean glandular dose using the United Kingdom, European and IAEA breast dosimetry protocols. Phys Med Biol. 2009;54(14):4361.

Hendrick RE, Bassett L, Botsco M, Deibel D, Feig S, Gray J, et al. Mammography Quality Control Manual. Reston: American College of Radiology, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.29384/rbfm.2015.v9.n2.p6-9

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Brasileira de Física Médica



Revista Brasileira de Física Médica - RBFM

ISSN: 1984-9001

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia