Biosusceptometria de Corrente Alternada: um dispositivo no controle de qualidade de comprimidos

Autores

  • Dany Bruno B. S. Grosskaluss
  • Deivid W. Pires
  • Uilan de Andreis
  • Priscileila C. Ferrari
  • Dhardney G. Mendonça
  • Luciana A. Corá
  • José Ricardo A. Miranda

DOI:

https://doi.org/10.29384/rbfm.2013.v7.n3.p217-219

Resumo

Formas farmacêuticas sólidas (FFS), tais como comprimidos, representam a principal escolha, pois são fáceis de preparar, armazenar, transportar e apresentam uma grande aceitação pelos pacientes. Porém, a absorção dos fármacos administrados em FFS depende do processo de desintegração, ou seja, um processo tempo-dependente que ocorre sob a ação de um agente desintegrante e promove a fragmentação da forma farmacêutica em partículas passíveis de serem dissolvidas e absorvidas. Para uma liberação efetiva do ativo, um dos critérios relacionados à formulação, como a escolha dos excipientes e o tipo de revestimento, deve ser considerado. A técnica considerada como “padrão de ouro” para monitorar FFS no trato gastrintestinal humano é a cintilografia, entretanto, métodos alternativos com base na detecção de campo magnético merecem destaque. A técnica de Biosusceptometria de Corrente Alternada (BAC) tem evoluído, apresentando como vantagem ser um método não invasivo e livre de radiação ionizante. A BAC utiliza bobinas de indução para registrar a variação temporal do fluxo magnético, obtido pela resposta de um material magnético ingerido, aplicando-se de um campo magnético alternado no meio biológico. O objetivo deste estudo é empregar a BAC para avaliar, in vitro, o processo de desintegração de comprimidos magnéticos revestidos com polímero gastrossolúvel (Opadry TM).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Grosskaluss, D. B. B. S., Pires, D. W., de Andreis, U., Ferrari, P. C., Mendonça, D. G., Corá, L. A., & Miranda, J. R. A. (2015). Biosusceptometria de Corrente Alternada: um dispositivo no controle de qualidade de comprimidos. Revista Brasileira De Física Médica, 7(3), 217–219. https://doi.org/10.29384/rbfm.2013.v7.n3.p217-219

Edição

Seção

Artigo Original