Caracterização de dosímetros semicondutores para dosimetria in Vivo na técnica de TBI

  • Caroline Castilhano Sampaio Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo
  • Caroline Zeppellini Santos Emiliozzi Departamento de Radiologia e Oncologia, Hospital das Clinicas HCFMUSP
  • Laura Furnari Departamento de Radiologia e Oncologia, Hospital das Clinicas HCFMUSP
Palavras-chave: dosimetria in vivo, dosímetro semicondutor, diodo, radioterapia, TBI

Resumo

A técnica de irradiação de corpo inteiro (TBI) é considerada uma técnica de alta a complexidade em radioterapia já que exige campos alargados. Os esquemas de cálculo para fazer a determinação exata da distribuição da dose no TBI são complexos e variações na posição do paciente alteram dramaticamente as distribuições de dose. Sendo assim é desejável ter uma técnica de medição in vivo disponível. Os diodos semicondutores são robustos, relativamente baratos e fornecem leituras on-line para inferência imediata de dose o que é uma grande vantagem em comparação com o processo de reaquecimento prolongado requerido para um dosímetro termoluminescente (TLD). O objetivo deste trabalho é a caracterização e validação do diodo semicondutor (T600010L PTW) para utilização em medidas in vivo, e em tempo real, da dose liberada em um tratamento de irradiação de corpo inteiro. Os dosímetros devem ser caracterizados e calibrados para sua utilização na técnica em questão. Sendo assim foi feito o estudo da reprodutibilidade, da linearidade e da dependência da resposta dos diodos com a taxa de dose, com a distância fonte-detector (SSD) e com o ângulo de incidência do feixe de radiação. A calibração dos diversos diodos foi realizada por intercomparação com uma câmara de ionização Farmer e sua verificação foi feita com a simulação de um tratamento em um phantom antropomórfico RANDO®. Uma vez que o dosímetro mostrou-se adequado e com variações menores que 1%, estabeleceram-se limites de ação para dosimetria in vivo de acordo com a região a ser tratada e levando em conta fatores de incertezas que não são intrínsecos ao detector. O valor máximo encontrado para o limite de ação foi de 9,6% na região do joelho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Khan, Faiz M. The Physics of Radiation Therapy, 3rd Edition, CAP 18, pg 456

AAPM (American Association of Physicists in Medicine). REPORT 17 – “The Physical Aspects of Total and Half Body Photon Irradiation”, 1986

AAPM (American Association of Physicists in Medicine). REPORT 87 - “Diode in vivo Dosimetry for Patients Receiving External Beam Radiation Therapy”, 2005

Ben Mijnheera, Sam Beddar, Joanna Izewska, Chester Reft -“In vivo dosimetry in external beam radiotherapy”, Medical Physics, 2013

IAEA (International Atomic Energy Agency). REPORT 8 – “Development of procedures for in vivo Dosimetry in Radiotherapy”, 2013

ESTRO. Booklet 5 - “Practical Guidelines for the Implementation of in vivo Dosimetry with diodes in external radiotherapy with Photon beams (entrance dose)”, 2001

International Commission on Radiation Units and Measurements (ICRU). Report 50 - “Prescribing, Recording and Reporting Photon Beam Therapy ICRU, 1993

Lanchun Lu et Al - “A Clinical Dosimetry Analysis of Total Body Irradiation for Leukemia Patients”, Medical Physics, 2014

C. M. Lancaster, J. C. Crosbie and S. R. Davis – “In-vivo dosimetry from total body irradiation patients (2000 – 2006): results and analysis”, Australasian Physical & Engineering Sciences in Medicine, 2008

S. Dupont, L. Aubignac , S. Dufreneix , C. Briand , F. Jaffre , S. Klotz , F. Lecante , D. Le Du , M. Housset - “Contrôle qualité de la dose délivrée par dosimétrie in vivo : un critère de tolérance unique peut-il satisfaire toutes les localisations ?”, Cancer/Radiothérapie, 2012

K. L. Rittmann – “Quallity assurance in Total Body Irradiation by in vivo dosimentry”, 1996

Application-Specific In Vivo Semiconductor Diodes for VIVODOS and MULTIDOS® Dosemeters (http://www.ptw.de/2337.html?&cId=3272)

Angêla Beatriz Habitzreuter, Laura Natal Rodrigues - “Implementação da irradiação de corpo inteiro em radioterapia”, 2010

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Sampaio, C. C., Emiliozzi, C. Z. S., & Furnari, L. (2018). Caracterização de dosímetros semicondutores para dosimetria in Vivo na técnica de TBI. Revista Brasileira De Física Médica, 12(1), 22-28. https://doi.org/10.29384/rbfm.2018.v12.n1.p22-28
Seção
Artigo Original