Avaliação da qualidade da imagem através da análise da relação sinal-ruído e contraste-ruído em um sistema de mamografia digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29384/rbfm.2021.v15.19849001622

Palavras-chave:

mamografia digital; razão sinal-ruído; razão contraste-ruído.

Resumo

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, por este motivo o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia seja realizada a cada dois anos em mulheres entre 50 e 69 anos, de modo que o principal objetivo deste exame como método de rastreamento é justamente a redução da taxa de mortalidade em função do aumento de casos detectados em estados iniciais da doença. Porém, a efetividade do exame está diretamente relacionada com a qualidade e desempenho dos equipamentos.  Dessa forma, foi criado o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM) com a finalidade de aprimorar a qualidade das mamografias, sendo obrigatório a todos os serviços do Brasil. Assim, este estudo visa avaliar os resultados obtidos através do controle de qualidade da imagem mamográfica digital, para garantir a consistência do receptor de imagem digital avaliando a relação sinal-ruído (RSR) e relação contraste-ruído (RCR) do receptor de imagem. A coleta dos dados ocorreu semanalmente através do teste de qualidade da imagem realizada na rotina do setor, no período de junho de 2019 a março de 2020, conforme recomendação do fabricante. Os dados encontrados estão dentro do limite proposto pelo fabricante o qual informa que a RSR deve ser maior que 40 e a RCR deve estar dentro de ±15% da linha de base. Consequentemente, o mamógrafo utilizado produz imagens adequadas para realizar laudos confiáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Inca. Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama. Acesso em: 16 de novembro de 2020.
2. Corrêa, RS et al. Efetividade de programa de controle de qualidade em mamografia para o Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública, v. 46, n. 5, p. 769–776, 2012.
3. Inca. Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.inca.gov.br/programa-qualidade-em-mamografia. Acesso em: 18 de fevereiro de 2021.
4. Villar, VCFL et al. A evolução da qualidade da imagem em mamografia no Estado do Rio de Janeiro. Radiologia Brasileira, v. 48, n. 2, p. 86–92, 2015.
5. Corrêa, RS et al. Impacto de um programa de avaliação da qualidade da imagem nos serviços de mamografia do Distrito Federal. Radiologia Brasileira, v. 41, n. 2, p. 109–114, 2008.
6. Anvisa. Intrução Normativa N°54, de 20 de dezembro de 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/instrucao-normativa-n-54-de-20-de-dezembro-de-2019-235414431. Acesso em: 16 de novembro de 2020.
7. Pereira, SL et al. Utilização de diferentes simuladores na avaliação da qualidade da imagem em mamografia digital. IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013.
8. Bohórquez, LJR. Otimização dos parâmetros físicos de aquisição da imagem em mamografia digital. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Física. 88 p. Ilhéus, BA: UESC, 2016.
9. Qian x. Fundamentals of digital mammography. In: Markey M. Physics of mammographic imaging. London, p. 3-10, 2013.

10. Hologic. Selenia Dimensions. Quality Control Manual, july 2014.
11. Almeida, CD et al. Otimização da dose e da qualidade da imagem em mamografia digital. IRD/CNEM, p. 41.
12. Oliveira, M. Controle de qualidade e dose de entrada na pele em serviços de mamografia de Minas Gerais. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologia das Radiações, Minerais e Materiais, como requisito parcial à obtenção do Grau de Mestre., 92 p. 2006.

Downloads

Publicado

2021-07-13

Como Citar

Neczypor, M. R., Villa Real, J., & Bocamino Doro, R. (2021). Avaliação da qualidade da imagem através da análise da relação sinal-ruído e contraste-ruído em um sistema de mamografia digital. Revista Brasileira De Física Médica, 15, 622. https://doi.org/10.29384/rbfm.2021.v15.19849001622

Edição

Seção

Artigo Original